Tratamento do transtorno bipolar

O lítio é a droga estrela no tratamento do transtorno bipolar. Foi o primeiro estabilizador de humor descoberto e tem sido o tratamento de escolha. Mesmo assim, tem certas limitações por ser uma droga perigosa. Saiba mais neste artigo!
Tratamento do transtorno bipolar

Última atualização: 21 abril, 2022

O transtorno bipolar é um transtorno neuropsiquiátrico complexo que requer tratamento sob diferentes perspectivas. Seu tratamento às vezes não é fácil e representa um desafio para muitos profissionais. Neste artigo vamos aprofundar no que consiste o tratamento do transtorno bipolar.

O transtorno bipolar também é chamado de transtorno maníaco-depressivo. É uma doença crônica e recidivante que combina episódios maníacos e episódios depressivos. Portanto, provoca mudanças de humor que alternam altos e baixos emocionais:

  • Os episódios maníacos são caracterizados por um nível muito alto de energia e atividade. Os pacientes apresentam uma alegria excessiva, acompanhada de exaltação, euforia e grandiosidade. Geralmente, aumenta a autoestima e diminui a necessidade de sono.
  • No entanto, nos episódios depressivos, os sentimentos são completamente opostos, com uma fase depressiva de imensa tristeza e até ideias suicidas. Diminui a energia e a motivação para as atividades diárias. Distúrbios do sono e/ou apetite, entre outros, podem ocorrer. É a fase mais difícil de controlar farmacologicamente.
Mulher com mágoas não curadas sentindo dor

O transtorno bipolar afeta aproximadamente 1,6% da população mundial. É uma importante causa de incapacidade em adultos.

Por vezes, é uma doença mal diagnosticada que apresenta muitas dúvidas aos especialistas quanto ao seu manejo e tratamento. Existem vários tipos de transtorno bipolar, embora às vezes não sejam fáceis de diferenciar e/ou determinar:

  • Transtorno Bipolar I: Pacientes que experimentaram um episódio maníaco e um episódio depressivo.
  • Transtorno Bipolar II : Pacientes que experimentaram tanto episódios depressivos quanto um episódio hipomaníaco, não atingindo o extremo da mania. Este tipo é mais difícil de diagnosticar.
  • Ciclotimia: Pacientes que sofreram vários episódios hipomaníacos e alguns episódios depressivos, embora não muito graves, por aproximadamente dois anos.
  • Transtorno Bipolar Inespecífico: Transtornos que não se enquadram nas classificações acima. Eles geralmente são causados por certas doenças ou medicamentos.

Diferentes opções de tratamento

O tratamento do transtorno bipolar geralmente combina terapia farmacológica com psicoterapia. Como já dissemos, é um transtorno complexo que requer manejo com diferentes perspectivas.

Tratamento farmacológico do transtorno bipolar

Classicamente, o tratamento farmacológico do transtorno bipolar tem se baseado no uso de:

  • Lítio: é a droga estrela para o tratamento do transtorno bipolar. Foi o primeiro estabilizador de humor descoberto. Por muito tempo, tem sido o tratamento de escolha nesses distúrbios. Mesmo assim, tem certas limitações porque, entre outras coisas:
    • É um medicamento com margem terapêutica estreita.
    • Tem um alto risco de toxicidade.
    • Pode causar efeitos colaterais graves.
  • Carbamazepina: muitas vezes usada como alternativa ou adjuvante ao lítio. Não é eficaz em todos os tipos de transtornos bipolares e também tem alguns efeitos colaterais perigosos, embora não sejam muito comuns. Tem interações com outras drogas.
  • Ácido valpróico ou valproato: também é amplamente utilizado em combinação com lítio, embora não seja eficaz em todos os casos. Destaca-se seu potencial teratogênico, o que limita seu uso em mulheres em idade fértil com possibilidade de engravidar.
  • Neurolépticos convencionais, como a clorpromazina: seu uso está sendo cada vez mais substituído por neurolépticos atípicos. Estes têm menos efeitos adversos e têm um perfil de ação mais amplo.
  • Antidepressivos tricíclicos, como a imipramina: são quase sempre usados em associação com estabilizadores de humor. Cada vez mais, estão sendo substituídos por antidepressivos que geram menos efeitos adversos.

Como podemos ver, embora as drogas clássicas continuem sendo eficazes, é necessário ampliar o arsenal terapêutico utilizado no tratamento do transtorno bipolar. É necessário continuar estudando outros medicamentos que apresentem maior eficácia e menor risco de efeitos secundários.

De fato, o uso da politerapia está se tornando cada vez mais comum, combinando a ação de diferentes medicamentos que se complementam. Estabilizadores de humor, como lítio ou antiepilépticos, geralmente são combinados com antidepressivos, como inibidores seletivos da recaptação de serotonina ou bupropiona.

pílula branca

Tratamento não farmacológico

Da mesma forma, como dissemos, existem outros tratamentos e técnicas não farmacológicas que também são úteis nesse distúrbio, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Entre eles, encontramos:

  • Eletroconvulsoterapia: é considerado o tratamento mais eficaz nas fases agudas da doença, embora seu uso cause rejeição em muitos profissionais. Às vezes, causa efeitos indesejados de memória e apresenta riscos devido ao processo de administração e anestesia.
  • Psicoterapia: complementa o tratamento farmacológico, prolongando a estabilidade dos pacientes e reduzindo os episódios agudos. Um dos objetivos mais importantes é melhorar a adesão terapêutica, fundamental no tratamento desse transtorno.
  • Novas técnicas biofísicas, como a estimulação magnética transcraniana.
Pode interessar a você...
Diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional

Transtorno bipolar e labilidade emocional são a mesma coisa? Neste artigo, você descobrirá as diferenças entre essas duras esferas psicológicas.



  • Vieta, E., Valentí, M., & Rosa, A. R. (2007). Limitaciones de los tratamientos tradicionales del trastorno bipolar. Vieta E., Novedades en el tratamiento del trastorno bipolar. Madrid: Médica Panamericana, 1-12.
  • Goikolea, J. M., & Valentí, M. (2008). Actualización del tratamiento del trastorno bipolar. Revista Jano1(714), 31-34.
  • Becoña, E., & del Carmen Lorenzo, M. (2001). Tratamientos psicológicos eficaces para el trastorno bipolar. Psicothema13(3), 511-522.